Liberando a Criatividade

20170203_150341

Em 2017, ofereci para um grupo de alunas uma série de atividades por meio de exercícios variados com o foco na criatividade. No início sempre havia uma timidez, o medo de errar ou até de não conseguir realizar o exercício. Mas elas foram enfrentando cada desafio proposto e ao final montamos uma mostra que foi exposta no 20º Festival Internacional de Patchwork e Quilt de Gramado.

img-20170919-wa0043

As oficinas aconteceram em meu atelier, de 15 em 15 dias, com um grupo de 6 alunas por turma. A primeira atividade proposta, foi o exercício de desenhar sem olhar para o papel. Técnica utilizada por Betty Edwards,  em seu Livro “Desenhando com o lado direito do cérebro”. 

20170203_150328

20170203_15034120170210_145559

O Cenário montado possibilitou que cada aluna, de sua cadeira em torno da mesa,  visse por ângulos diferentes. Após os desenhos  executados, sem olhar o papel, a espontaneidade foi o que brotou. Em seguida,  coloriram usando combinações análogas e transportaram o resultado para tecidos, como se pode ver abaixo.

20170203_171135 20170203_171146 20170203_171207 20170203_171231

img-20170224-wa0049 img-20170210-wa0041 img-20170702-wa0042

A segunda atividade foi ao som de uma música. Com movimentos gestuais ao ritmo da melodia, foram criadas formas. Que depois de coloridas foram selecionadas e transpostas para tecido.

  

O outro exercício foi um desenho de observação, de um arranjo de natureza morta. O desafio para elas era o desenho propriamente dito. A proporção, a posição de cada fruta e até o volume e sombra. Trabalhamos com colagem para aproximar do modo de feitura do trabalho em tecido.

 

A atividade seguinte, foi recorte e colagem de formas geométricas para criar uma composição. Cada aluna criou quatro composições. A escolha e uso das cores nessa atividade foi livre.

 

 

Trabalhamos com forma e contra forma, usando apenas papel preto e branco e uma tesoura.

    

img-20170909-wa00091 20170609_1546111

O último exercício dessa primeira etapa de trabalho foi desenhar um vaso com flores. Mas queria que as flores fossem das lembranças, dos desenhos infantis, flores imaginárias. Pedi que desenhassem as flores que estavam acostumadas a desenhar. Sem preocupação de representação fiel à realidade. Em seguida, mostrei um vídeo com imagens de muitas flores, de modo que puderam trazer à tona flores já conhecidas e perceber suas formas, cores. Desliguei o vídeo, e pedi que desenhassem flores que haviam visto no vídeo. Em seguida, pedi que desenhassem um vaso com as flores que já haviam desenhado.

  img-20170911-wa00611 img-20170909-wa00161

 

No próximo post irei mostrar o resultado das obras que foram expostas no Festival Internacional de Patchwork e Quilt de Gramado.

 

Compartilhe este post

alunas, eventos

Leia esses também